sexta-feira, 8 de abril de 2011

Ensaio (real) sobre a loucura

Os homens são tão necessariamente loucos que não ser louco seria uma outra forma de loucura. Necessariamente porque o dualismo existencial torna sua situação impossível, um dilema torturante. Louco porque tudo o que o homem faz em seu mundo simbólico é procurar negar e superar sua sorte grotesca. Literalmente entrega-se a um esquecimento cego através de jogos sociais, truques psicológicos, preocupações pessoais tão distantes da realidade de sua condição que são formas de loucura — loucura assumida, loucura compartilhada, loucura disfarçada e dignificada, mas de qualquer maneira loucura.
Ernest Becker

Um comentário:

  1. Como diz o ditado: " De médico e louco todo mundo tem um pouco."

    ResponderExcluir

Obrigada por sua participação em meu blog!