terça-feira, 1 de setembro de 2009

Ex-ministro Thomaz Bastos assume defesa de Abdelmassih

O ex-ministro Márcio Thomaz Bastos confirmou na manhã desta terça-feira que agora faz parte da equipe de advogados que trabalha na defesa do médico Roger Abdelmassih, 65, acusado de atentado violento ao pudor e estupro contra ex-pacientes. (Folha) Leia mais

5 comentários:

  1. Às vezes eu me pergunto até onde vai a ética de um profissional do Direito... Defender o que parece ser indefensável?
    A carreira do senhor Bastos talvez não precisasse ser marcada por esse caso. Ou o ego precisa?
    Todos têm direito à defesa, não discuto isso.
    Principalmente esse grupo de mulheres. E a melhor defesa para elas ou qualquer outra mulher, é deixar esse "médico" atrás das grades...
    Onde estão o CFM e o CRM que permitem que este senhor ainda se intitule "médico"?

    ResponderExcluir
  2. offtopic
    Temos algo que necessita de nossa urgente atenção.
    O Movimento de Combate a Corrupção Eleitoral - MCCE esta tentando aprovar a Lei 9840, de iniciativa popular, para isso, é preciso que 1% do eleitorado brasileiro assine esse Projeto, o equivalente a 1.300.000 assinaturas., estão faltando somente 200.000, e o prazo expira em 07/09. Pra que vc entenda melhor estou com um video no blog caranovanocongresso.blogspot.com, que explica em detalhe o que precisa ser feito, peço sua colaboração na divulgação e coleta de assinaturas. O formulario pode ser baixado no site do MCCE, http://mcce.org.br/.
    Estou coletando assinaturas em minha vizinhança, consegui mais de 90 adesões, creio q chego a umas 120.
    Com essa lei aprovada vamos limpar 1/3 ou mais do congresso, por isso é fundamental que a gente consiga aprovar a Lei, não deixe de ver e divulgar o video, é esclarecedor
    grato

    ResponderExcluir
  3. CRMSP já cancelou registro dele até definição do julgamento.

    ResponderExcluir
  4. Senhor Ricardo, o código de ética médica já condena severamente o cidadão que comete os crimes que esse cidadão SUPOSTAMENTE cometeu.
    Digo "supostamente" porque EU não estava lá e não vi nada. Ao afirmar que o sujeito é descarado, patife, canalha, estou reagindo irracionalmente, porque não tenho prova alguma de que ele cometeu esses crimes.
    Analiso sempre com a frieza que é de se esperar numa situação dessas.
    Não por acaso a lei faculta amplo direito de defesa, e até às últimas consequências. Ainda assim se cometem erros judiciais pavorosos. Inocentes do lado de lá das grades, pagando há anos por crimes que não cometeram.
    Eu NÃO VI o cidadão cometer estupros, por isso acredito que ele possa ser inocente. E aí vem a incômoda pergunta: E SE FOR MESMO INOCENTE?
    Hi, como médica que é, sabe que o CREMESP não cancelou o registro dele. Apenas SUSPENDEU, até porque os CRM e o CFM não têm poder de polícia ou de juiz. O momento de agir espontaneamente passou, esses dois órgãos agiram com corporativismo notório ao calar e não exercer PREVENTIVAMENTE quaisquer ações ilegais ou imorais do referido médico. Nisso aliás têm sido os CRMs da vida extremamente lenientes e omissos, só agindo depois que a polícia entra num caso com aquela sutileza elefantina que conhecemos. Quer um exemplo? Não foi o CRM que denunciou e mandou para a cadeia os donos daquela clínica de aborto em São Paulo e que tinha até uma máquina de triturar fetos.
    Há uma falha séria por parte desses órgãos de controle do exercício profissional que está a merecer devassa por conta do corporativismo homicida.
    Por tudo isso e mais que não cabe aqui citar, Senhor Ricardo, é que deve sempre prevalecer a máxima: IN DUBIO PRO REO.
    Na dúvida, a favor do réu. Até o último minuto. Até a vigésima-quinta hora. Não podemos nos deixar levar pela antipatia que Márcio Thomaz Bastos possa nos despertar. Não gosto dele, mas entregaria a alguém como ele a defesa do meu próprio filho, se acusado fosse de algum crime.

    Rodrigues

    ResponderExcluir
  5. Tio Zé,obrigada por ter corrigido,é verdade, ele foi suspenso temporariamente ate sair resultado definitivo.
    Outra coisa, CRM abre processo de sindicâncias quando há denuncias ou aparecem nas midias "noticias e divulgações",e se os procedimentos exercidos por não medicos,os atos devem ser denunciados na policia, pois CRM só atua os casos que envolvem os medicos registrados devidamente, quando há medicos cassados tambem devem ser tratados por policia e não CRM.

    ResponderExcluir

Obrigada por sua participação em meu blog!